APNEIA DO SONO
Tratamentos


Apneia do sono, apneia noturna ou Síndrome de ApneiaHipopneia Obstrutiva do Sono (SAHOS) é uma desordem do sono caracterizada pela obstrução das vias respiratórias durante o sono, que inibe a passagem de ar por pelo menos 10 segundos mais de 5 vezes durante o período de sono. Apneia gera um despertar súbito, mas é comum que esse episódio seja esquecido junto com os sonhos. Os malefícios da doença decorrem da soma de apnéias ao longo de anos. O risco de morrer durante uma única apnéia é pequeno, pois, após 20 ou 30 segundos ocorre o despertar e a respiração retorna. Esses problemas são frequentes no homem a partir dos 30 anos e nas mulheres a partir da menopausa.

O tratamento das apnéias do sono varia conforme o caso. Depende da causa, da idade, da gravidade, da aceitação e da adesão às medidas propostas. Pode-se usar aparelhos, cirurgias e medicamentos. Quem sofre de apnéias deve evitar qualquer relaxante muscular como álcool ou medicamentos sedativos, calmantes e antialérgicos.
 

Quais são as causas da Apneia ?

Existem várias causas de apnéias, algumas ainda desconhecidas, mas a maioria dos casos está associada:
  • Forma mandibular
  • Obesidade (IMC >30)
  • Menopausa
  • Oro-faringe estreita
  • Obstrução nasal
  • Hipotireoidismo
  • Acromegalia
  • Sexo masculino
  • Predisposição genética


Será que tenho Apneia do Sono?

Sintomas:
Os dois principais Sintomas de que uma pessoa tem síndrome das apnéias obstrutivas do sono são:
  • Ressonar durante o sono (ronco)
  • Sonolência diurna

A roncopatia indica obstrução a nível da garganta e a sonolência é consequência dos múltiplos despertares para voltar a respirar. A obstrução da garganta ocorre somente no sono porque é devida ao relaxamento muscular. Acordado não existe apnéia. O relaxamento também provoca a roncopatia. As apnéias interrompem o roncar com períodos de silêncio. Quando a respiração retorna, o ronco atinge o máximo. Nesse momento, o indivíduo está acordado e poderá responder a estímulos externos. Em poucos segundos, porém, volta a adormecer e esquece que acordou. Pela manhã, a sensação é de que dormiu perfeitamente. A parceira(o) é que se queixa. A tendência, ao longo do dia, será de adormecer em qualquer situação monótona. Mesmo quem dorme mais de oito horas tenderá a adormecer durante o dia se permanecer quieto. Por mais que descanse, a recuperação nunca é suficiente. Como o processo da doença se desenvolve em anos ou décadas, as pessoas acostumam-se a essa sonolência excessiva e passam a considerá-la "normal".

Outros sintomas:
  • Ganho de peso
  • Redução da memória
  • Diminuição da atenção
  • Dor de cabeça pela manhã
  • Sono agitado
  • Boca seca ao acordar
  • Sudorese noturna
  • Hipertensão arterial
  • Palpitações
  • Falta de ar
  • Levantar para urinar
  • Urinar na cama
  • Disfunção sexual
  • Depressão
  • Irritabilidade
  • Problemas conjugais

Diagnóstico
O diagnóstico da apneia do sono é feito através de polissonografia. O principal sintoma da apneia do sono é a sonolência intensa durante o dia. Esta sonolência pode levar a acidentes de automóvel; ao sono intenso em horas inadequadas, como no trabalho ou na sala de aula. As outras manifestações da doença incluem o ronco (com pausas respiratórias, as apneias); e dificuldade de manter a concentração e a atenção pela sonolência diurna. Ao dormir, têm também movimentos muito frequentes, durante toda a noite, associados às pausas respiratórias (apneias).
  • de 5-15: leve;
  • de 15-30: moderado;
  • mais que 30: grave.

Tratamento
  • Redução do peso corporal;
  • Redução do consumo do álcool;
  • Tratamento de congestão nasal, rinite, sinusite;
  • Higiene do sono: antes de dormir evitar cigarro, álcool, bebidas com cafeína, exercícios intensos, refeições pesadas, medicamentos sedativos, evitar dormir de barriga para cima, dormir em horário constante.

Tratamento mecânico:
  • Uso de CPAP (Continuous Positive Airway Pressure) ou BIPAP (Bilevel Positive Airway Pressure);
  • Aparelhos intra-orais.

Tratamento cirúrgico:
  • Cirurgia nasal;
  • Adenoidectomia;
  • Uvulopalatofaringoplastia;
  • Traqueostomia;
  • Outros.





Placa Antirronco

O que é Placa Antirronco?

Dormir em paz, sem ter aquele barulho ensurdecedor ao seu lado, ou não acordar com o próprio ronco. Essas são as funções da Placa Antirronco.
A apneia obstrutiva noturna, ou apneia do sono, é decorrente da flacidez dos tecidos da garganta, que acabam por obstruir a passagem do ar. Roncar alto, não importa a posição em que se está deitado, acordar cansado, com a boca seca ou com dor de cabeça são sintomas deste tipo de apneia.
Pesquisas vêm demonstrando que 40% da população ronca e esse percentual aumenta para 60% nos homens com mais de 60 anos de idade.

Por que realizar esse tratamento?

O distúrbio caracteriza-se por interrupções da respiração durante o sono que acontecem em intervalos de dez a trinta segundos. Frequentemente, a pessoa não percebe que desperta durante a noite para recuperar o ar antes de voltar a dormir.
Nos casos mais graves, o "dorme-acorda" pode se repetir até 300 vezes!
As consequências para a saúde vão de simples sonolência diurna e dificuldade de concentração, à problemas cardíacos como hipertensão, infarto, derrame e, até mesmo, morte súbita. Os obesos são mais propensos a sofrer do problema.

Como será feito o tratamento?

A Placa Antirronco é feita a partir de duas placas acrílicas, superior e inferior, conectadas, que mantém a mandíbula posicionada de forma a abrir o espaço da garganta e liberar a passagem do ar durante o período de sono.
O aparelho apresenta a solução do problema em 87% dos casos de ronco e apneia, contra 20 a 40% dos casos tratados cirurgicamente.
placa-antirronco.jpg